14 de fev de 2014

Horário de verão termina neste fim de semana


Termina  neste  fim  de  semana a 39ª edição do horário brasileiro de verão. Dez  estados  das  regiões  Sul,  Sudeste  e  Centro-Oeste, além do Distrito Federal,  deverão  atrasar  o  relógio  em  uma hora, à meia-noite de sábado para domingo,  voltando  a marcar 23 horas. A mudança deixará o dia 15 de fevereiro mais longo, 
 com 25 horas, repondo a hora que foi adiantada no dia 20 de outubro de 2013.     
                                                                                  
Nos  quatro  meses  em que esteve em vigência, a estimativa é que a medida tenha  reduzido  em  torno de 4% os níveis máximos de demanda por energia no sistema da  Copel  no  Paraná  durante  um  dos períodos mais críticos do dia, entre 18 e 21  horas (no verão, entre 19 e 22 horas).                                           
                                                                                  
ALIVIAR  A  CARGA - Ao contrário do que as pessoas em geral supõem, o horário de  verão  não  serve  apenas  para  economizar  energia. Sua principal finalidade é  aliviar a carga sobre o sistema elétrico. Na edição 2013/2014, durante o horário  de  maior demanda, estima-se que tenham sido retirados 220 megawatts de potência  da rede da Copel, o equivalente à demanda máxima de uma cidade como Maringá, com 
385 mil habitantes.                                                              
                                                                                  
“Durante o horário de verão, é possível diluir ao longo do dia o pico de demanda  de  energia das diversas classes de consumo, dissociando, por exemplo, o consumo  máximo  de  energia  nas  residências  do  horário  de acionamento da iluminação  pública”,  explica  Nelson Cuquel, gerente de Operação do Sistema de Alta Tensão 
da Distribuição da Copel.                                                        
                                                                                  
Ao possibilitar uma folga na demanda máxima simultânea por energia, a mudança de  horário no verão torna mais eficiente a operação de usinas, subestações e linhas  de  transmissão,  conferindo  maior  segurança  à  transmissão e distribuição de energia.                                                                         
                                                                                  
NOVO  HORÁRIO  DE  PICO  -  As  altas  temperaturas  neste verão confirmaram uma  tendência  dos  últimos  anos,  de  aumento  do consumo de energia entre 14 e 15  horas,  período  de  maior  insolação  no  dia.  “O  último  mês  de janeiro, em  particular,  registrou  médias  de  temperatura  muito acima do normal em todo o  Brasil, o que acarretou recordes de demanda de energia devido à popularização de 
aparelhos de climatização, como o ar-condicionado”, afirma Cuquel.               
                                                                                  
A informação é confirmada pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), que registrou  um  aumento  de  18,4%  da  carga  de energia no Sistema Interligado Nacional em  janeiro deste ano, em comparação com o mesmo mês do ano anterior. Segundo o ONS,  o  aumento  se  dá em função principalmente de dois fatores: o uso residencial e  comercial  intensivo  de  aparelhos  de  refrigeração nas regiões Sul, Sudeste e  Centro-Oeste do Brasil, e a retomada das atividades industriais ao longo do mês. 
                                                                                  
Apesar  dos  recordes  de  demanda,  a  Copel  considera  que  o  risco de haver  desligamentos  por  conta  do  alto consumo é mínimo. “O fornecimento de energia  pode  ser  garantido  pelas  usinas  térmicas,  apesar  do  alto  custo que esta  estratégia  representa,  e  que  acaba  sendo  paga pelos consumidores”, explica  Cuquel.  “Tendo  isto  em  vista, é importante evitar ao máximo o desperdício de  energia nos horários de maior demanda, no início da tarde e no início da noite”. 
                                                                                  
Assim,  se o horário de verão presta-se, historicamente, a aliviar a operação do  sistema  elétrico  entre  18 e 21 horas, a estratégia para conferir uma folga ao  sistema  durante  os  novos picos de demanda das 14 às 15 horas é usar a energia 
 com eficiência, combatendo seu desperdício.                                      
                                                                                  
HORÁRIO  DE VERÃO - A medida começou a ser aplicada no Brasil na década de 1930,  durante  o  governo  do presidente Getúlio Vargas. A primeira edição durou quase  seis  meses:  de  3  de  outubro  de  1931  até 31 de março de 1932. Nos 35 anos  seguintes,  a  medida  foi  instituída em nove oportunidades: em 1932, de 1949 a  1952,  em  1963  e de 1965 a 1967. Depois de muito tempo esquecido, o horário de  verão  ressurgiu  em  1985 por decreto do presidente José Sarney, passando a ser 
 adotado anualmente desde então.                                                  
                                                                                  
Em  2008,  o  Decreto  6.558  estabeleceu  regras para a aplicação do horário de  verão,  como  a  área  de abrangência (estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do  país,  incluindo  o  Distrito  Federal)  e época para início e término (terceiro 
domingo   de   outubro   e  terceiro  domingo  de  fevereiro  do  ano  seguinte, 
respectivamente).                                                                
                                                                                  
USO  EFICIENTE  DE  ENERGIA  -  O aumento da demanda de energia entre as 14 e 15 
horas pode ser atenuado com a redução do desperdício. Confira algumas dicas:     
                                                                                  
                                                                                  
Condicionador de ar                                                              
                                                                                  
 v    Mantenha portas e janelas fechadas ao utilizá-lo.                          
 v    Limpe os filtros periodicamente.                                           
 v    Desligue se ficar fora do ambiente por mais de uma hora.                   
 v    Evite instalá-lo em local exposto ao sol.                                  
                                                                                  
Geladeira                                                                        
                                                                                  
 v    Não abra a porta sem necessidade ou por tempo prolongado.                  
 v    Coloque e retire os alimentos e bebidas de uma só vez.                     
 v    Evite guardar alimentos quentes.                                           
 v    Não forre as prateleiras da geladeira com plásticos ou vidros.             
 v    No inverno, diminua a regulagem da temperatura.                            
                                                                                  
Chuveiro elétrico                                                                
                                                                                  
 v    A chave na posição "verão" gasta até 40% menos energia.                    
 v      A  fiação  deve  ser  adequada,  bem  instalada  e  com  boas  conexões. 
 Se  costuma  lavar  o  banheiro  utilizando a água do chuveiro, mantenha a parte 
 elétrica desligada.                                                              
                                                                                  
Iluminação                                                                       
                                                                                  
 v     Evite  acender lâmpadas durante o dia; abra bem as cortinas e persianas e 
 use ao máximo a luz do sol.                                                      
 v    Use cores claras nas paredes internas da sua residência.                   
 v     Prefira  lâmpadas fluorescentes ou fluorescentes compactas, pois iluminam 
 melhor,  consomem  menos  energia  e duram até dez vezes mais do que as lâmpadas 
 incandescentes.                                                                  
                                                                                  
 Televisor, aparelho de som e computador                                          
                                                                                  
 v    Mantenha ligado somente o aparelho que você está utilizando.               
 v    Evite o hábito de dormir com aparelhos ligados.                            
 v    Não exponha ao sol aparelhos com sistema de ventilação interna.            
                                                                                  
 Ferro elétrico                                                                   
                                                                                  
 v    Espere acumular uma boa quantidade de roupa e passe tudo de uma vez. Ligar 
 o ferro várias vezes ao dia desperdiça muita energia.                            
 v     No  caso  de  ferro elétrico automático, use a temperatura de aquecimento 
 indicada  para  cada  tipo de tecido, iniciando sempre pelas roupas que requerem 
 temperaturas mais baixas.                                                        
 v     Deixe  o  ferro desligado quando não estiver em uso, mesmo por intervalos 
 curtos.                                                                          
 v     Conheça  outras  orientações  para  o  uso  eficiente  de energia no site                
Assessoria Copel

Comente