18 de fev de 2014

Acabou o mistério sobre permanência de Curitiba na Copa do Mundo

Fifa confirma permanência de Curitiba na Copa do Mundo

A Fifa decidiu manter Curitiba como sede da Copa do Mundo de 2014. Os técnicos da entidade avaliaram que as obras da Arena da Baixada, palco de quatro jogos no Mundial, atingiram um nível satisfatório e entenderam que o poder público deu garantias suficientes de que há dinheiro para terminar a reforma. 
A informação foi confirmada pelo Twitter da Fifa: "Curitiba reconfirmada como sede da #Copa2014, com base nas garantias financeiras, compromisso de todas as partes & progresso feito. Será uma corrida apertada contra o tempo e o esforço coletivo de todas as partes envolvidas em Curitiba deve continuar em ritmo forte."
O estádio tem inauguração prevista para o início de abril. O Atlético-PR afirma ter fundos suficientes para pagar o trabalho dos operários até o Carnaval. Depois disso, seriam necessários mais R$ 65 milhões. O dinheiro deve vir de um empréstimo de R$ 250 milhões que o governo do Estado pediu ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
O financiamento está sendo analisado pelos técnicos do BNDES desde quarta-feira, dia 12. Ainda não há previsão sobre quando o dinheiro será liberado. Políticos do Paraná ouvidos pelo UOL Esporte dizem que o Estado pode emprestar o dinheiro ao clube com recursos próprios enquanto se o financiamento federal demorar. 
A manutenção de Curitiba estava condicionada a uma visita técnica feita pela Fifa nesta terça-feira, 18. Uma comitiva, liderada pelo consultor para estádios da entidade, Charles Botta, passou a manhã na capital paranaense. Após um encontro na sede da Prefeitura, o grupo fez uma visita à Arena da Baixada. 
O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), saiu da reunião dizendo que estava confiante na manutenção da cidade como sede do torneio. O recado foi dado por meio de sua conta no Twitter, antes da visita à arena. Fruet recebeu um telefonema do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, por volta das 15h oficializando a decisão.
Os atrasos nas obras do estádio levaram Valcke a dar um ultimato aos responsáveis pela organização da Copa na cidade em 21 de janeiro. Valcke ameaçou tirar a Copa do município caso as obras não avançassem de forma significativa.
Após a reunião com Valcke, em janeiro, o poder público anunciou três medidas: aumentar o número de operários, criar um comitê técnico para acompanhar a obra e liberar a última parcela de um empréstimo que havia sido aprovado em janeiro.
As promessas, aparentemente, deram resultado. Em um mês, os operários da Arena da Baixada plantaram o gramado, instalaram 15 mil cadeiras na arquibancada, terminaram os vestiários e iniciaram a instalação da iluminação, como havia sido pedido pela Fifa.
Uol Esporte 

Comente