25 de jan de 2017

Prefeito de Tomazina da exemplo de como administrar pelo bem comum.


Prefeito e secretários de Tomazina, no PR, vão devolver 10% dos salários
Lei municipal prevê reestruturação administrativa e corte de horas extras. Com medidas, objetivo é economizar R$ 1,3 milhão nos próximos 4 anos.
Uma lei municipal em vigor em Tomazina, no norte do Paraná, prevê a devolução de 10% dos salários do prefeito e dos quatro secretários da cidade. A medida, somada a uma reestruturação administrativa, deve representar uma economia de R$ 1,3 milhão à administração municipal nos próximos quatro anos, segundo o prefeito Flávio Zanrosso (PSD).
Além da devolução de parte dos salários, o número de secretarias foi reduzido de oito para quatro. A reestruturação administrativa ainda reduziu gratificações de cargos comissionados e prevê economia no pagamento de horas extras, segundo o prefeito.O projeto de lei foi elaborado pela equipe de Zanrosso e foi aprovado por unanimidade pela Câmara de Vereadores, em 6 de fevereiro.
Ocupando o cargo de prefeito pela primeira vez, Zanrosso explicou que os recursos economizados serão utilizados para fazer os investimentos que assumiu com a cidade. “O objetivo é cumprir meu plano de governo, e investir em saúde, educação e infraestrutura”, declarou.
Ainda segundo Zanrosso, outros projetos serão enviados à Câmara com objetio de reduzir gastos. “Vamos reduzir desde o [uso do] papel até o salário do prefeito”, explicou.

Crise
De acordo com o atual prefeito, em 2016, a Prefeitura de Tomazina deixou de receber R$ 1 milhão do total de repasses previstos para o município. “Com as crises em todos os estados, estamos tentando nos antecipar para que Tomazina não passe por isso”, disse.
O orçamento previsto para o município em 2017 é de R$ 18 milhões, ainda segundo Zanrosso. A cidade tem pouco mais de 8,5 mil habitantes, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Redução de salários
O prefeito disse que a devolução de parte dos salários foi adotada porque apenas uma lei aprovada na gestão anterior poderia estabelecer a redução dos salários do prefeito, do vice e dos secretários municipais.
Ao assumir os cargos, os secretários assinaram um termo no qual assumem o compromisso de depositar 10% dos salários todo mês em uma conta criada para isso, conforme Zanrosso.
“Cortei os salários para que a gente possa ficar tranquilo em relação ao futuro”, contou o prefeito.
A devolução do salário do vice-prefeito não estava prevista na lei e foi uma decisão pessoal, de acordo com Zanrosso.Veja os salários e os valores devolvidos:

Valor do salário do prefeito - R$ 14 mil
10% - R$ 1,4 mil
Salário com a redução - R$ 12,6 mil
Valor do salário dos secretários - R$ 4 mil
10% - R$ 400
Salário com a redução - R$ 3,6 mil

A devolução de 10% do salário do prefeito deve economizar, em quatro anos, R$ 67,2 mil e a devolução do mesmo percentual dos salários dos quatro secretários municipais – Obras, Saúde, Educação e Governo – representa uma economia de R$ 83,2 mil.


Reestruturação
Segundo o prefeito, a reestruturação deve deixar o quadro da administração mais enxuto e economizar R$ 983.500 nos quatro anos da gestão.
Para começar as mudanças, as nomeações dos cargos na prefeitura só foram feitas após a sanção da lei.
A estimativa de economia com reestruturação e com a devolução de 10% dos salários chega a R$ 1.113.900, segundo Zanrosso. Para completar a conta de R$ 1,3 milhão, o prefeito explicou que deve reduzir o pagamento de horas extras.A estimativa de economia com reestruturação e com a devolução de 10% dos salários chega a R$ 1.113.900, segundo Zanrosso. Para completar a conta de R$ 1,3 milhão, o prefeito explicou que deve reduzir o pagamento de horas extras.A estimativa de economia com reestruturação e com a devolução de 10% dos salários chega a R$ 1.113.900, segundo Zanrosso. Para completar a conta de R$ 1,3 milhão, o prefeito explicou que deve reduzir o pagamento de horas extras.


Fonte G1globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente