18 de jan de 2014

Cerca de 25% das ligações recebidas pela PM de Londrina são trotes

Polícia e Bombeiros alertam sobre utilização correta dos telefones de emergência (Foto: Reprodução/RPCTV)Polícia e Bombeiros alertam sobre utilização correta dos
telefones de emergência (Foto: Reprodução/RPCTV)








Um levantamento preliminar realizado pela Polícia Militar (PM) aponta que, em média, uma em cada quatro ligações recebidas em 2013 em Londrina, no norte do Paraná, era trote. Das 476 mil ligações recebidas de janeiro a dezembro, mais de 100 mil foram trotes. Os números foram informados ao G1nesta sexta-feira (17).
De acordo com a PM, a grande maioria das ligações enganosas é feita por crianças e adolescentes. Além disso, são registradas ligações de pessoas pedindo informações ou outros serviços que não são relacionados com a polícia. “Algumas pessoas aproveitam que o número de emergência é gratuito e ligam para pedir informações de outros serviços, como telefones de supermercados, prefeitura, entre outros”, conta o capitão Ricardo Eguedis, coordenador da Central de Operações da Polícia Militar (Copom) emLondrina.
Eguedis alerta sobre a utilização consciente do número de emergência, já que esse tipo de ligação pode congestionar a linha e impedir o atendimento de casos graves. “Muitas vezes, não tem como saber se é um trote ou não. Assim, há o deslocamento de uma equipe sem necessidade, que pode deixar de atender quem realmente está precisando do apoio da polícia naquele momento. Isso sem contar o gasto desnecessário de dinheiro público com combustível, efetivo, entre outros fatores”, diz o coordenador do Copom.
O capitão lembra que a polícia possui dois telefones para atender a população. “O 181 é para a pessoa que quer denunciar um caso de criminalidade, mas não quer se identificar e faz a denúncia anônima, para que a polícia identifique e resolva o problema com base nessa informação. Já o 190 é para emergências, casos em que a pessoa verifique que está acontecendo um crime ou uma tentativa de crime”, explica.

“As pessoas ligam muitas vezes solicitando outros tipos de serviço, como  animais soltos na rua, ou até mesmo atendimentos que são realizados pelo Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência]. Isso acaba causando problemas, pois muitas vezes pode congestionar a linha”, aponta Costa.
Bombeiros

Segundo o comandante operacional do Corpo de Bombeiros, tenente Rodrigo Costa, o número de trotes recebido pela corporação em Londrina é baixo. Porém, há uma grande número de ligações que não são de competência da corporação.
O tenente explica em quais casos deve ser acionado o Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). “O Siate atende traumas e emergências, como acidentes de trânsito, ferimentos com armas de fogo, facas, quedas de plano elevado. Já o Samu atende casos clínicos, como desmaios, problemas cardiovasculares”, orienta.
Uso correto dos telefones de emergência
O capitão Ricardo Eguedis considera importante a pessoa ter sempre em mãos os números de telefones de emergência. Porém, pede o bom uso dos serviços. "A pessoa deve saber sempre a quem solicitar um pedido de emergência, e acionar de forma correta a corporação responsável. Isso facilita o atendimento e pode salvar uma vida", afirma.

Comente